Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Motéis, Restaurantes, Bares,
Lanchonetes e Fast-food de Jundiaí e Região

Jundiaí / SP   •  

Notícias

21/03/2015

Ministros se reúnem com Centrais Sindicais sobre informalidade e empregos

Na pauta estiveram assuntos como criação de agenda para tratar emprego na indústria, na construção civil e o mercado de trabalho para os jovens e mudanças no Imposto de Renda.
Os ministros do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, da Secretaria Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, da Previdência Social, Carlos Gabas e o diretor do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, reuniram-se nesta quinta-feira (19) com os dirigentes de centrais sindicais. Entre elas: Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e União Geral dos Trabalhadores (UGT) para rodada de diálogo entre governo federal e centrais sindicais, em Brasília (DF). Durante a reunião foram discutidos temas como informalidade; a criação de uma agenda para tratar o emprego na indústria, na construção civil e o mercado de trabalho para os jovens; as mudanças no Imposto de Renda e as Medidas Provisórias nº 664 e 665. Manoel Dias destacou que os programas de modernização do MTE estão melhorando a qualidade do emprego e qualificação do trabalhador. “Já lançamos a CTPS Digital, a Certidão Eletrônica de Débitos Trabalhistas, a Fiscalização Eletrônica e o Plano de Combate à Informalidade Laboral. Queremos modernizar o ministério tornando-o uma referência para o cidadão.”, afirmou Dias. Dias também anunciou que lançará um novo programa para redução dos acidentes de trabalho e que no próximo dia 31 será o lançamento da campanha Abril Verde: pela segurança e saúde no trabalho. Medidas Provisórias Sobre as MPs, o ministro Miguel Rosseto afirmou que “na próxima semana, após conversarmos com o congresso que já instalou as comissões nesta quinta-feira de manhã, daremos continuidade aos debates sobre as medidas provisórias”.

 

(Fonte: Ministério do Trabalho)